Ivan Mística apresenta ideias e propostas do grupo "Avante Esquadrão" para as eleições do Bahia

por Rafael Machaddo (@RafaelMachaddo6) em 29 de Setembro de 2017 00:00 com 0 Comentário

Dando sequência à nossa série de entrevistas com os líderes de grupos políticos que pretendem participar das eleições do Esporte Clube Bahia, o Galáticos Online entrevistou o líder do grupo "Avante Esquadrão, Ivan Mística.

Vale lembrar que todas as outras entrevistas estão disponíveis na aba "Entrevistas" do site.

Confira a entrevista na íntegra:

1 - O seu grupo já definiu quem será o candidato à presidência do clube? Se sim, por que essa escolha? Se não, até quando pretendem definir? Existem nomes?

RESP: Não. Nosso grupo não definiu ainda quem lançar ou apoiar para a Presidência do clube, pois possuímos uma proposta de modelo de gestão a ser implementada e para o apoio a terceiros é necessário que o mesmo tenha aderência aos nossos “pilares da gestão”. Tal definição deve ocorrer até a data limite do registro das chapas, havendo inclusive a possibilidade de termos apenas candidatura ao Conselho Deliberativo sem apoio à nenhum candidato à Presidência do Clube.

2 - Quais grupos ou “personalidades” apoiam essa candidatura? Como eles serão importantes numa possível gestão?

RESP: Somos um grupo formado por sócios e torcedores oriundos das arquibancadas, especialmente dos setores do povão e desta forma o apoio naturalmente advém da massa tricolor sem necessariamente existir alguma “personalidade”. Quanto à grupos, a princípio temos uma parceria com o Grupo Integridade Tricolor quanto à composição da chapa para o Conselho Deliberativo.

3 - Quais são as principais propostas do seu grupo para um possível mandato para os próximos três anos?

RESP: A gestão do clube dura 3 anos, porém o nosso ou qualquer outro grupo que esteja à frente do Bahia deve pensar em objetivos além do curto prazo; desta forma, elaboramos um Modelo de Gestão com fundamentos e pilares muito claros e que será apresentado oportunamente, dentro do que criamos cabe citar:

Uma das primeiras medidas deve ser a realização de um planejamento estratégico participativo levando-se em conta as tradições do clube, o cenário que nos cerca além de sempre almejarmos metas desafiadoras durante este período. Vale ressaltar que a atual gestão apesar do “mantra” do Profissionalismo não pensou assim e passou 3 anos cuidando essencialmente dos problemas de curto prazo.

Podemos também citar que é condição fundamental a Transparência, Acesso Popular ao Quadro de Sócios, afastar a influência político-partidária do clube, realização de uma ampla Auditoria envolvendo todos setores do clube, dentre outras ações contidas no nosso Modelo de Gestão.

4 - Qual o posicionamento do seu grupo sobre Fazendão e Cidade Tricolor?

RESP: Primeiro é necessário saber a real situação de ambos quanto à posse e propriedade, ônus cartorário, débitos etc; após isso é preciso fazer uma avaliação junto ao mercado imobiliário com mais de uma empresa com empresa com expertise no tipo de imóvel, com tais dados em mãos poderemos partir para uma avaliação quanto ao uso que o clube faz e fará dos mesmos, evidentemente de acordo com o planejamento de longo prazo citado anteriormente e levar o assunto para discussão junto ao Conselho Deliberativo, sócios e torcedores. Caso seja definido que será efetuada a negociação de um deles, acreditamos que os recursos devem ser direcionados para composição de patrimônio do clube ao invés de simplesmente usar para gastos correntes com elenco e demais despesas.

5 - Como o seu grupo vê a parceria do Bahia com a Arena Fonte Nova?

RESP: Ruim, especialmente para o torcedor que sofre em longas filas nos jogos com maior torcida mesmo pagando caro por tal serviço ofertado. É necessária uma completa reformulação e adequação da Arena às necessidades do clube visto que o clube é seu principal cliente, tais mudanças passam desde o processo de venda de ingressos que deve ir além do sócio acesso garantido, incluindo-se a opção de venda por cartão pré-pago para um número X de jogos, venda via aplicativo, criação de setor popular, ampliar itens para consumo nos bares, criação de uma lista de itens que devem ser negociado aos valores mais condizentes com o mercado local, tais como Cerveja, Água, Salgados, Pipoca etc; além de efetuar constantes pesquisas de satisfação junto ao frequentador da Arena. Caso a Arena não se mostre parceira do clube, é necessário buscar por todas as vias que o Bahia deixe de ser refém da mesma e tenha a possibilidade de atuar como mandante dos jogos no também moderno estádio de PituAÇO.

6 - Como vocês avaliam a atual gestão do clube? Por favor, cite pelo menos um ponto que você julga positivo e um negativo da atual gestão do Bahia.

RESP: Muitos torcedores esperavam mais dessa gestão, mas os fracos resultados obtidos pela “Vez do Futebol” não foi surpresa para nós, é fácil citar como aspecto positivo a melhoria na parte organizacional, visto que o clube era extremamente desorganizado, porém citaremos como aspecto positivo a presença das Tricoleaders que foi um movimento que surgiu nas arquibancadas e o clube abraçou, como negativo é difícil citar apenas um... todos citam o futebol mas isso se torna redundante, acreditamos que a destinação dos R$ 40.000.000,00 das Luvas do contrato com o Esporte Interativo foi um aspecto que demonstra que as decisões decorrentes da falta de planejamento impactaram demais nos recursos do clube.

7 - E sobre os atuais grupos de oposição, como os avaliam? Da mesma forma, por favor, se possível, cite um aspecto positivo e um negativo dos grupos que atualmente fazem oposição aos gestores.

RESP: Cada grupo possui sua postura e sua forma de ver o que é melhor para o Bahia, claro que há acertos e erros neles, porém é difícil citas os aspectos positivos e negativos neles, visto que, ao longo dessa gestão pessoas que se elegeram com discurso de oposição mudaram bastante o posicionamento, outros “subiram no muro” para ver o momento oportuno para se posicionar e muitos outros sabem apenas dizer “amém” pra tudo achando que isso é democracia. Quando você passa a achar que qualquer coisa é “para o bem do Bahia” e diz amém sem analisar, você está tomando muitas vezes a pior decisão para o clube que diz amar.

8 - Qual o posicionamento do seu grupo sobre o voto à distância?

RESP: Nosso grupo se posicionou contra o voto à distância por entender que antes de se pensar nessa possibilidade é necessário o recadastramento presencial dos atuais sócios, auditoria com exclusão dos inadimplentes e eliminação do risco de fraudes na comercialização do programa de sócios (fraude que inclusive que já ocorreu). Após isso e com uso de uma forma de votação que tenha lisura é possível tratarmos como uma forma confiável e ser implementado o voto à distância, uma opção seria o voto nas agências dos Correios, pois haveria a conferência de documento de identificação, coleta do voto lacrado e envio para a comissão eleitoral do clube.