Presidente da FBF comemora acesso da Juazeirense e revela esperança em título da Série D

por Tarso Duarte em 14 de Agosto de 2017 00:00 com 0 Comentário

A histórica subida a Juzeirense para a 3ª divisão d futebol brasileiro animou o presidente da Federação Baiana de Futebol, Ednaldo Rodrigues. Em entrevista aos Galáticos nesta segunda-feira (14), o dirigente comemorou o acesso do clube de Juazeiro, destacando desdobramentos que o feito deve ter para a agremiação e até para o futebol baiano, que saiu se fortaleceu com a conquista segundo o cartola.

“É uma conquista que engrandece todo o futebol baiano. A Juazeirense a exemplo do que foi a Jacuipense em 2015 e outras equipes do estado que já tiveram boas atuações na Série D.  Trabalhou muito e conseguiu o acesso, a gente sabia que a luta e o trabalho eram com esse objetivo”, comemorou Rodrigues, que explicou como o acesso influencia no futuro do clube e da FBF.

“Melhora o ranking do clube nacionalmente e até da federação, já que é levado em conta quantos clubes disputam cada uma das divisões do Campeonato Brasileiro”, disse.

Como ajuda da federação, Ednaldo explicou ainda que os baianos tiveram auxílio financeiro da entidade à medida que passavam de fase, com a finalidade motivar não só dirigentes, mas também atletas que tornaram o acesso possível.

“Tivemos planilha de ajuda a para os três times baianos a cada fase da competição. Uma motivação a mais até para os jogadores por méritos, como resultados arrancados jogando fora de casa”, falou, avisando que a esperança e ter ao menos mais um clube conseguindo subida para a Série C em 2018.

“No próximo ano vamos fazer de tudo para que esse sucesso se repita. Jacuipense, Fluminense de Feira e Conquista já estão garantidos na Série D de 2018, e nossa esperança é que mais uma vez tenha time baiano dentre aqueles que subirem”, declarou.

Apesar do acesso, Ednaldo ainda espera mais da Juazeirense nesta Série D. Para o cartola, o título na 4ª divisão é uma possibilidade, com a torcida podendo ter papel fundamental na disputa.

“A torcida da Juazeirense abraçou o clube, mas tem que ter um abraço mais forte, mais duradouro, agora que o clube está buscando o título da Série D. A possibilidade de título é real sim. Já participei de perto do trabalho na Juazeirense, eles estão muito unidos. Vi muito entusiasmo os jogadores, juntamente com a comissão técnica e direção”, revelou Ednaldo Rodrigues.

Confira outros trechos da entrevista:

Juazeirense como atual terceira força do estado

Eu entendo que o clube está bastante motivado e tem um elenco que vai se fortalecer. Como a Juazeirense vai ter um calendário maior já garantido em 2018, a formação do elenco precisa ser mais apurada e isso deve fazer com que o time seja forte nas próximas competições que disputar.

O planejamento tanto do clube quanto da Série B

Eu entendo que o clube está bastante motivado e tem um elenco que vai se fortalecer. Como a Juazeirense vai ter um calendário maior já garantido em 2018, a formação do elenco precisa ser mais apurada.

Reflexo do acesso na administração frente à FBF

Era um dos objetivos. Foi possível agora porque o futebol não é fácil. Houve persistência nesse trabalho. Tivemos participando de toda organização dos nossos filiados nessas disputas e o acesso é um grande feito para o futebol baiano.

Influência nos clubes

A gente procura sempre estar junto, mas as administrações dos clubes são independentes. A Federação não tem ingerência nos clubes. As agremiações precisam ter parcerias e construir relações de confiança para manter uma regularidade.

Mau-desempenho da dupla BaVi na Série A

Às vezes o trabalho e o planejamento é feito com muita propriedade, mas o futebol é difícil e o resultado não vem. O Brasileirão pra mim é a competição mais difícil do mundo. O lado financeiro a discrepância atrapalham muito para times que arrecadam muito menos que outros como os nossos, mas a gente espera que essa situação seja momentânea. Que tanto Bahia quanto Vitória passem a conseguir os resultados, principalmente jogando em casa.

A federação sofre junto. Qualquer dificuldade que os clubes tem com arbitragem, com STJD ou com regularizações de jogadores, tudo isso é alvo de trabalho diário em conjunto com os filiados.