Opinião - A mística tricolor prevaleceu, mas só ela será suficiente?

por Rafael Machaddo (@RafaelMachaddo6) em 25 de Setembro de 2017 19:10 com 2 Comentários

Com um gol nos últimos minutos, após muita polêmica sobre a marcação do pênalti, o Bahia venceu o Grêmio por 1 a 0, neste domingo (24), na Arena Fonte Nova. Não vamos nem entrar no mérito se a penalidade foi ou não marcada de forma correta, até porque a arbitragem não foi lá das melhores. Contudo, o objetivo deste texto é refletir sobre aquele que talvez venha sendo o maio problema do Esquadrão nas últimas partidas: o desempenho em campo.

Enquanto alguns torcedores comemoram, é dever do analista ter a frieza de analisar o momento. Apesar de ter vencido um semifinalista de libertadores e 3º colocado da Série A, com seis titulares em campo, o futebol apresentado pelo Bahia segue sem inspirar confiança no seu torcedor. Pior que isso, apesar da vontade demonstrada em alguns momentos, é difícil perceber alguma evolução tática entre uma partida e outra.

Apesar de que no primeiro tempo o Bahia teve até mais finalizações em gol do que o adversário, era nítido que quando os gaúchos colocavam a bola no chão os donos da casa tinham muita dificuldade. Isso sem falar na saída de bola do time de Preto, que quando os gremistas pressionavam, sempre acabava com um chutão para o ataque, diferente da calma dos adversários para saírem jogando, independente de estarem ou não pressionados.

Talvez um ponto positivo no tricolor foi o sistema defensivo, que se mostrou um pouco mais seguro, apesar de algumas brechas deixadas pela direita, onde Eduardo não vem bem. Outra situação a ser citada é a falta de proteção na entrada da área, onde o Grêmio ganhava quase todas as segundas bolas. O sistema ofensivo do tricolor, por sua vez, segue devendo criatividade, inspiração e eficiência.

A impressão que ficou é que, se os gaúchos tivessem uma linha de frente melhor, ou um pouco mais inspirada, a situação poderia se complicar pro Bahia. Porém, os suados três pontos conquistados darão um pouco de tranquilidade para que o time trabalhe e busque muita evolução para a partida contra o Coritiba. Porque, sabe-se que a mística tricolor realmente é muito forte, mas apenas ela não vai segurar o Esquadrão na Série A do Brasileirão.

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia