Que os erros cometidos contra o São Paulo sirvam de aprendizado

por Rafael Machaddo (@RafaelMachaddo6) em 18 de Setembro de 2017 18:12 com 0 Comentário

Após a derrota por 2 a 1 para a equipe do São Paulo, o Vitória caiu para a incômoda posição de vice-lanterna da Série A, além de continuar com a incômoda condição de pior mandante da competição. Como não podia deixar de ser, o resultado abateu o torcedor, principalmente pela atuação, que diferente do que vinha acontecendo, foi muito ruim.

O técnico Vagner Mancini, que por sinal é principal responsável por fazer ressurgir a esperança de salvação do Leão, nesta partida contra o tricolor paulista, não foi muito feliz. Por força de lesão precisou mexer na lateral, e no ataque, fez uma opção questionável e que acabou não rendendo. A saída de David para a entrada de Kieza, talvez, tenha sido o maior erro do comandante.

Apesar de parte da torcida pegar em seu pé, o jovem David tem uma importância para o rubro-negro que vai além da sua qualidade ofensiva. O garoto possui uma força física invejável que o possibilita recompor e ajudar defensivamente, diferente do K9, que ainda tem o agravante de ter ficado muito tempo sem atuar. Sem esse apoio na tarde do domingo, o que se viu foi o setor esquerdo da defesa do Leão muito exposto, principalmente após a entrada do peruano Cueva, que se aproveitou bastante disso.

A principal justificativa do treinador para colocar Kieza em campo foi que ele é mais eficiente no jogo aéreo e ajudaria a combater o São Paulo nesse quesito. Curiosamente (e cruelmente), o primeiro gol dos paulistas foi justamente em uma bola aérea, e o segundo, após um vacilo na primeira trave, onde geralmente os centroavantes fazem a proteção.

O comandante também vacilou nas substituições, ao utilizar Carlos Eduardo e Cleiton Xavier, jogadores mais cadenciados que não imprimiram um ritmo forte que era necessário. Com isso, o time paulista, que só tinha um volante neste momento, seguiu com certa tranquilidade na partida e só foi mais ameaçado após marcar o segundo gol.

Mancini não se torna o maior vilão do mundo por essas escolhas, afinal de contas todos estão sucetíveis a erros. Porém, orimeiro passo para uma recuperação já foi dado, a partir do momento em que o técnico reconheceu a má partida da sua equipe, e assumiu que as coisas não saíram como ele desejava.

O Leão agora tem duas partidas fora, contra Atlético-MG e Botafogo. Que os erros contra o São Paulo sirvam de aprendizado para que os atletas e para o professor Mancini voltem a fazer as boas atuações que fizeram fora e conquistem os resultados que o Leão precisa para se livrar da zona de rebaixamento.

Foto: Mauricia da Matta / EC Vitória