Opinião - ‘Carpê’ Diem: Curta o momento, torcedor do Bahia

por Rafael Machaddo (@RafaelMachaddo) em 09 de Novembro de 2017 18:55 com 0 Comentário

Você já deve ter se deparado com as palavras “Carpe Diem” em alguma tatuagem ou em hashtags nas redes sociais. A tradução literal da expressão originada do latim é “aproveite o dia”. Porém, o seu significado trata um pouco mais de aproveitar ao máximo o momento que se vive como se não houvesse amanhã.

É dessa forma que se pode enxergar o torcedor do Bahia neste momento. Após anos de sofrimento entre Séries C e B, jejum de títulos e campanhas de luta contra o rebaixamento na Série A, os tricolores, após conquistarem um título regional depois de 15 anos, hoje se permitem sonhar até mesmo com a disputa da Libertadores da América, algo que não acontece há quase 30 anos.

O trocadilho utilizado no título desse artigo é justamente em reconhecimento daquele que pode ser considerado o símbolo de um time que há cerca de um mês lutava para não cair, e hoje briga pela Libertadores: o técnico Carpegiani. O discurso parece até um pouco repetitivo, mas os números são implacáveis e mostram a diferença do Esquadrão sob o seu comando.

Em sete jogos sob o comando do experiente treinador, o Bahia conquistou 14 dos 21 pontos disputados. Com quatro vitórias, dois empates e uma derrota, o Tricolor chegou aos 66% de aproveitamento nesse período, aproveitamento digno de líder da Série A, já que o Corinthians atualmente possui 65,7%. Além disso, o Bahia passou a ter a 6ª melhor campanha do segundo turno da competição, com 22 pontos, contra 26 do Botafogo, 1º do returno.

Além dos incontestáveis números que foram citados, do nítido crescimento tático e também técnico de alguns atletas, que já foram abordados aqui nesse espaço, também é admirável, até o momento, a facilidade do professor Carpê para enxergar o jogo e mostrar coerência com as palavras. Assim ele fez na coletiva após o triunfo sobre o Avaí.

"Sempre quando eu puder escolher entre jogar bem um tempo, prefiro jogar o segundo tempo melhor. Entramos frouxos, achando que íamos decidir, não menosprezando o adversário, mérito do Avaí, mas entramos frouxos, fazendo faltas, muita falta perto da área e o gol surgiu disso. Complicou mais o jogo. Não atuamos bem o primeiro tempo. No segundo tempo foi da água para o vinho. Botou a bola no chão, controlou o jogo", declarou o treinador.

Diante de tudo o que foi exposto, voltamos ao título deste artigo. O torcedor do Bahia tem todo o direito de sonhar com algo que a cada rodada se torna mais possível, até porque, quando essa torcida compra uma ideia e empurra o seu time, fica difícil de não conseguir. Então, Tricolor, só resta um, pedido: Curta o momento, ou melhor, ‘Carpê’ Diem.

Foto: Felipe Santana / EC Bahia